Retratos do Fim da Linha

Roseneide

Roseneide mora há cerca de 10 anos na Adonis. Veio para este local com 5 filhos e “sem marido, Graças a Deus”. Ela vivia antes em uma favela na região de Manguinhos, onde residia na casa da vó. Um conhecido ofereceu o espaço no teto da antiga fábrica para que ela construísse a casa feita com restos de materiais em que hoje vive com sua prole. Para ela, a mudança foi muito boa, pois “ainda que seja de tábua, molha mais dentro do que fora, é meu esse canto”. Ela trabalhava até um mês atrás como operadora de máquinas numa fábrica de plásticos muito próxima de onde mora, mas foi dispensada sem saber a razão.

A mulher comenta que ao lado do fato de que a estrutura da antiga fábrica está rachada, correndo risco de desabar, o outro problema principal de se viver ali é o convívio com esgoto. Fala que “Deus é que está segurando todo mundo” neste prédio. Não vê a hora de sair deste local com seus filhos, ao menos para um lugar provisório, pago com aluguel social.